Livros

DOR DE GARGANTA

Juvenil. Coleção Era uma vez o bullying. Editora Garamond, 2012. Ilustrações de Beleléu. 

Janaína, estudante de Jornalismo, e Ludmila, estudante de Psicologia, investigam um caso de bullying escolar: "Menino tímido e negro, num colégio de classe alta, na zona sul do Rio de Janeiro. Vivia isolado, e seu rendimento escolar era bom. Quando iniciou o Ensino Médio, com a entrada de alguns alunos novos, finalmente fez uma amiga, Nanda. Uma menina também negra, ou melhor, mulata, com quem provavelmente teve um envolvimento amoroso. Foi só os dois passarem a andar juntos, que se espalharam os cartazes pelos corredores: caricaturas de macacos, um macho e uma fêmea, fazendo charme um pro outro; fotografias retiradas da internet de macacos se acasalando, pixações do lado de fora do colégio..."


MARIA FLOR
Infantojuvenil. Editora Escrita Fina, 2011. Ilustrações de Camila Carrossine. 

madrinha pontilhou meu nome no caderno
e me mandou cobrir com um lápis,
bordei um pontinho com o outro
que virava o um que eu bordava com o outro,
quando acabei, não me contentei,
quando vi, tinha feito a flor,
mostrei à madrinha e ela falou:
Agora seu nome é Maria Flor,
então eu pensei:
Bem que vó Preta sempre me diz:
A minha Maria é uma flor de menina!

Não sou mais,
não quero mais,
bem não me faz.


PARA CRESCER
Novela juvenil. Escrita Fina, 2010. 

A narradora Antônia, 17 anos, escreve: "Desde que o fim do mundo se anunciou, penso muito no sentido da vida. Quem sou eu? Por que vivo? De onde venho? Para onde vou? Ainda não consegui responder a nada, mas uma ficha já caiu: fazer minha própria história é a melhor forma de encaminhar essas respostas."


EU QUERIA UM LIVRO...
Antologia lançada pela Agir em 2010, da qual participo com o conto "Dom Quixote da Emília".

Emília não se conformava com o que dona Benta acabava de contar. Dom Quixote, o cavaleiro mais valente de todos os tempos, morria no fim da história e ninguém tentava impedir?! Indignada, a boneca deixou dona Benta falando com os outros e saiu do livro em que estava: "Esse Dom Quixote das crianças só serve para me amolar!", bradou, saltando para fora da obra.


MENINAS INVENTADAS
Contos juvenis, Bom Texto, 2006. Finalista do Prêmio Jabuti 2007. 

"Ontem, fiz quinze anos e já enchi o saco. Sempre pensei que, a esta altura, eu ia ser uma pessoa evoluída. Tipo assim: ia estudar num colégio maneiro, ter um corpo sarado, um namorado e um bando de amigos. Sei que não tem nada a ver ficar querendo ser outra pessoa. Quer dizer: a minha cabeça sabe, mas meu sonho não". (do conto "Nem preta, nem branca")


CONTOS DO RIO
Antologia de contos lançada pela Bom Texto, em 2005. O livro reuniu os finalistas do primeiro concurso promovido pelo jornal O Globo, em 2003. 

E olha que ela tinha chegado com tudo. Mas logo me perdi dela. Da paixão. Agora, você quer que eu a recupere. Não. A paixão não brota assim: esperada. Ela não é resultado de um esforço, a paixão nunca dá opção. Não se molda conforme o vazio de uma alma. Não. A paixão é surpreendente e inexata. Ela é uma ocasião. Da paixão, eu sinto muita saudade. Mas ela não voltará ainda. Ainda não. (Do meu conto "Sem minha filha")