sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Escrever pra crianças e jovens (3/4)


. Já o Maria Flor, que foi publicado pela Escrita Fina no ano passado,  escrevi como um conto. Em 2003, levei-o pra uma oficina de contos com a escritora Ana Miranda, no Intituto Moreira Salles do Rio. Ela então me sugeriu transformar numa poesia, pela construção do texto era só ir quebrando as linhas. Segundo ela, ficaria um livro infantil lindo, elogios não se esquecem: “a dicção é perfeita”, me disse. Na hora, porém, não gostei da ideia. Meses ou anos depois, fiz o que Ana havia sugerido: fui “dando enter” e a prosa virou poesia. Mesmo assim, continuei achando que era um texto muito adulto pra ser publicado como infantil.

. Quando eu soube que Maria Flor seria publicado num livro infantil, fiquei achando o texto super infantil. Me lembrei de como, em criança, eu não me ligava somente no conteúdo, mas na sonoridade também. Passei a achar que o livro podia ser lido pra criança de três anos e que seria lido por crianças recém-alfabetizadas. Fiquei super feliz, claro que pela minha história de leitora eu sempre tinha querido muito publicar um texto infantil e cheio de ilustrações lindas. Meu sonho primeiro sempre foi publicar livros infantis.

. Então, depois de pensar que o texto era adulto, pensei que fosse para a partir de três anos, meninos e meninas. Minha editora Laura Van Boekel classificou para a partir de oito. E eu, no momento, penso que ele está bem assim, mas o inseri num original “adulto”, em busca de editora.

. Você, leitor, avalie pela primeira estrofe:

Meu nome era só Maria.
Mas desenhei uma flor depois do segundo a,
passando a me chamar Maria Flor.
Sempre gostei de flor porque nasci na primavera
e, a bem dizer, não sei em que dia vim ao mundo,
mas ficou feito de conta
que foi no dia em que vó Preta me achou.
Ela estava regando o jardim,
quando ouviu o meu chorar.
Euzinha, nua de todo e por demais ensopada,
era capaz de morrer sufocada
por água mais terra mais flor.[1]



[1] LEAL, Ana Letícia. Maria Flor. Escrita Fina, 2011.

Um comentário:

  1. Ana, amei sua Maria Flor. Intensa, linda e triste. Viva. Tenho uma Maria também, se sobrar um espacinho nas leituras ... http://valprochnow.wordpress.com/2011/11/12/maria/
    Abraços!

    ResponderExcluir

É mais fácil entrar como "Anônimo" e assinar abaixo do comentário. Obrigada!