sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Escrever pra crianças e jovens (1/4)


. Foi no ano passado, em mesa-redonda sobre literatura infantojuvenil. A pesquisadora questionava como Lygia Bojunga e Bartolomeu Campos de Queirós podiam “reproduzir a voz da criança”. Já que ambos seriam adultos, na opinião dela.
. Minha gata Clarice começou a escrever cartas pra continuar a amizade com meu sobrinho João Pedro, que morava longe e tinha vindo em férias. Tomou gosto pela escrita e foi em frente.
. Quando digo que Clarice escreve a partir das conversas comigo, falo a verdade, pois invento isso o tempo todo. Falo de uma criança que trago comigo e a quem tenho dado bastante atenção.
. Leu alguns poemas da Adélia Prado pra filha de menos de dois anos. A menina prestou a maior atenção. É uma criança agitada e ficou quieta, ouvindo. Depois, mexia no livro, balançava, como se procurasse o que tinha dentro. Estava intrigada.
. Do ponto de vista do mercado, a literatura infantojuvenil contempla uma larga faixa etária, que vai desde os três até os 13 anos. Ou melhor, desde “a partir” dos três até “a partir” dos 13 anos.
. Eu não dava bola pras divisões dos textos em faixas etárias até trabalhar como vendedora da seção infantojuvenil de uma livraria grande. Lá, entendi que, pra quem conhece os livros e sobretudo gosta deles, é simples escolher o que levar pras crianças. Principalmente se conhecer, além de livros, as crianças que serão presenteadas. Mas pra maioria é completamente impossível ter noção do que escolher em meio à imensidão do estoque. Por isso é importante que as editoras e mesmo as lojas apresentem uma divisão por idades.
. Mas por que a SM publicou Tempo de Voo, do Bartolomeu Campos de Queirós, como literatura juvenil? Esse tipo de coisa acontece muito e afasta o livro do seu verdadeiro público. Não é?

2 comentários:

  1. Nossa, e Tempo de Voo é um livro belíssimo; você tem razão. Penso que rotularam não o livro, mas o Bartolomeu como escritor para crianças e jovens - será? pode ser? Complicado esse tal de mercado.
    Bacana essas suas reflexões, acompanhando. Beijos, Edna



    ResponderExcluir

É mais fácil entrar como "Anônimo" e assinar abaixo do comentário. Obrigada!